Perder o amor da minha vida me fez encontrar o amor da minha vida

Leitores do meu coração, tudo bem? Esse texto foi originalmente postado no LinkedIn e gostei muito de escreve-lo, portanto vou compartilhar com vocês. Vem comigo!

___

Antes de tudo, essa não é uma história de amor e sim de gestão de mentalidade. Estamos no LinkedIn, oraite?

Eu tinha 14 anos quando a conheci. Impulsivo, cheio de espinha e o menor da minha sala. Fui um garoto tímido com mulheres. O espírito “The Zoeira never ends” foi meu salva-vidas para, ao menos, chamar alguma atenção.

Conversávamos quase todos os dias pelo telefone e caí na maldita friendzone até que um dia

paramos de nos falar com essa frequência. Era um martírio receber seu telefonema no meu aniversário. Eu sabia que não iria rolar. Mas acabava me sentindo na obrigação de ligar de volta quando o aniversário era dela. Outro martírio.

Estudamos juntos por 2 anos até que ela se mudou de colégio e de cidade. Aqueles telefonemas de aniversário duraram por alguns anos depois. O tempo correu e cresci. Conheci outras garotas, me apaixonei… desapaixonei. Aquele ciclo que a maioria dos adolescentes da década atual já passaram por muito mais vezes que as pessoas da minha geração.

Minha falta de preparo emocional fez com que eu perdesse a única oportunidade

O dia era 20 de fevereiro e, depois de anos sem nos falar, liguei para dar os parabéns. Eu estava solteiro, ela também. Eu estava bem mais confiante. Só não contava com algo totalmente imprevisível. Pelo menos pra mim naquela situação.

Como assim que ela estava sozinha? Aquela garota, que estava sempre com muitos amigos, estava sem amigos para comemorar? De quebra, o inimaginável: ela aceitou o meu convite para jantar!

Eu havia praticado e perdido a timidez, certo? Mas eu não contava com uma prova dessas e foi aí que eu me perdi. Para encurtar a história: no restaurante eu tremi todo nas bases! Minha voz era trêmula, sem confiança.

Pense! Poderia ter sido um negócio. Aquele contrato esperado por anos bateu à porta. Você sabe que tem estrutura, sabe que tem o conhecimento, sabe que tem os recursos, mas na reunião você treme.

Naquele momento eu realizei que eu tinha me preparado para fazer as operações, realizar contatos, operacionalizar o dia a dia, mas eu não estava preparado para o sucesso. Eu não estava preparado emocionalmente para fechar o contrato.

Como eu gostaria que todas as pessoas não precisassem passar por algumas perdas para realizarem que elas podem, sim, alcançar o que elas sonham. Aquele emprego, contrato ou parceria.

sucesso no amor

O sucesso só acontece quando você está preparado emocionalmente para ele

No fim das contas eu poderia ter me entregue a uma tristeza sem fim. Mas eu preferi deixar as coisas acontecerem, superar e aprender mais, fosse com aquela experiência ou com as experiências de outras pessoas.

Me preparei como pessoa e como profissional. Fiz treinamentos de Programação Neurolinguística (PNL), estudei comportamentos irracionais, formação de Coach e a única coisa que você conclui com experiências assim é que você nunca conclui. Você nunca está pronto em habilidades.

Anos mais tarde conheci a Juliana, a menina da foto da capa desse artigo. Minha namorada, com quem moro há alguns anos e futura esposa. A conquistei e fui conquistado por ela. Não tremi, embora tenha me emocionado.

As duas maiores lições que tirei desses episódios são:

  1. Não importa se você perdeu. Aquela não era a única oportunidade! Oportunidades irão aparecer. Se prepare emocionalmente para elas!
  2. Não importa o quão você pratica perder a timidez ou seja lá qual for seu desafio. Não importa o quão você treina uma habilidade. Se você não aprender o que significa controle emocional, você não irá executar da maneira que treinou.

Excelentes jogadores perdem pênaltis quando a última coisa que eles poderiam fazer era tremer pra bater na bola.

Quer treinar seu lado emocional como eu treinei? Faz o seguinte…

vem comigo que no caminho eu te explico.

amor