Difícil não clicar, né?! Rs…

Você tem 2 minutos para ler essa página!

Pois é! Além do gatilho mental da curiosidade que nos dá quando nos deparamos com um imperativo dizendo “NÃO CLIQUE!”, nosso cérebro tem um padrão curioso.

Fazendo uma analogia grosseira com os computadores, nosso cérebro consiste em uma rede de conexões as quais processam um absurdo de informações (nosso cérebro é como um CPU de 16,8 mil GHz). Além disso, essas conexões somente podem ser conectadas ou desconectadas (zero ou um).

Uma informação de teor negativo como a frase “Não pense em um gato preto” é processada pela conexão de certos neurônios e isso faz com que automaticamente pensemos em um gato preto e só depois pensamos e entendemos coerentemente que não deveríamos ter pensado. Mas já era!

Sabendo da informação de que o cérebro processa a negação de forma positiva e não negativa, não seria muito melhor utilizar isso ao nosso favor quando conversamos com nós mesmos?

Dizer, por exemplo, “tenho que lembrar de uma reunião” ou “tenho que pegar algo quando…” é muito mais producente do que dizer a si mesmo “não posso esquecer de…”

Pegou?

Vem comigo que no caminho eu te explico!

-Rogério Braga