O Relacionamento de um Casal Perfeito

A porta fecha. Ela o olha com uma cara de quem vai cometer um assassinato qualificado e solta:

– Onde você estava?
– Eu… eu… Nossa! Eu devia ter avisado. Na saída do trabalho o Luiz me ligou, ele estava meio mal, queria bater um papo e…
– Devia ter avisado mesmo! Te liguei várias vezes. Por que você não atendeu?
– Meu celular estava no silencioso e eu estava dando atenção ao Luiz, né?! Ele e a Laura vão se divorciar.
– Pra ele você dá atenção, mas pra mim não! Você nunca avisa… Não me atende, não responde às minhas mensagens!
– Ahhh pare com isso, amor! Que drama!!!
– Drama?! Quem tá fazendo drama aqui? Só estou constatando uma verdade. Você mesmo admitiu que devia ter avisado.
– Sim, mas eu nem pensei…!
– VOCÊ NUNCA PENSA!!!
– Paaaare de gritar! Pelo amor de Deus!!!

Nesse momento, pela altura da voz dos dois, os vizinhos já começavam a dar notícia de mais uma briga do casal.

– Noooosssa você não vale nada mesmo! Não bastasse o que aconteceu semana passada! Você não sabe respeitar uma mulher. Você não dá valor ao nosso relacionamento. Não é à toa que é amigo do Luiz, aquele cachorro! Aposto que foi porque ele traiu ela!
– Você viaja de mais. Sua louca!
– Homem não presta mesmo! Nossa!
– Pelo amor de deus! Você quer me escutar?
– Escutar o que?!?!

E ele repete tudo de uma forma diferente para se tentar fazer entender. E ela chora todos os seus maus momentos, rebuscando toda dor que ele a fez passar desde o início do relacionamento. Essa cena se repete por diversos lares do país e parece não ter cura.

O jogo de acusações cheio de crenças pode trazer um recado para você, leitor atento: para você homem – eu te entendo! Ela é louca; para você mulher – eu também te entendo! Ele é um grosso sem coração.

Fiquem esperto porque elas estão treinando artes marciais

A compreensão de cada um!

Se você leu esse diálogo dando razão ou tendo empatia para apenas uma das partes porque viveu ou ainda vive algo parecido, tenho uma notícia pra dar: VOCÊS estão fazendo isso errado! – Ênfase na palavra “vocês” no plural.

Quantas vezes nos pegamos queixando da compreensão alheia ou da falta dela? Independentemente da natureza do sexo, cada parte do relacionamento pode sim amadurecer em sua compreensão e capacidade cognitiva para desenvolver melhores diálogos com o sexo oposto.

A seguir uma versão de cada um. Já adianto que isso não é necessariamente uma regra dos sexos, mas uma tendência neurofisiológica de se comportar diferentemente um do outro.

O papo do homem!

Talvez o homem pode até não perceber uma coisa: toda vez que tem um problema e vai “ligar para o Luiz” na intenção de trocar uma ideia, o que ele espera do amigo são dicas, questionamentos, sugestões ou explicações.

Muito provavelmente o homem antes de pedir ajuda já tentou resolver a questão de todas as maneiras possíveis para ele até o momento. Isso vale pra tudo! Com relacionamentos, trabalho, esporte, tudo! Acontece mais ou menos assim:

– Fala meu caro! Tudo tranquilo?
– Nó cara! Estou com um pepino pra resolver, meu chefe está me dando mais serviço do que eu aguento. Cara… eu produzo mais que todo mundo lá no escritório e na boa? Não estou afim de pegar horas extras não. Não sei o que faço.
– Tem que saber dizer não. Você já conversou com ele?
– Cara, não dá. O camarada é daqueles “curto e grosso” que chega e fala que quer o serviço até tal hora e sai.
– Pô! Seu chefe sabe que você aguenta o tranco mais que os outros, por isso ele faz o que faz. Então tente o seguinte: quando ele te der outra demanda, escreva um e-mail pra ele na hora elencando todas as demandas que ele te passou com os respectivos prazos. Mostre nitidamente que é impossível terminar no horário que ele deseja de trabalho e pergunte quais são as prioridades de entrega.
– É… pode dar certo. Vou tentar! Valeu!

Se isso vai dar certo ou não é o que menos importa. O que quero frisar é que ele está chateado com uma situação e não está conseguindo sair, então busca ajuda com amigo dessa forma.

O papo das mulheres

Já com as mulheres… Ahhh com as mulheres… (me permitam dar um grande sorriso aqui! Vocês são demais!! 😅) Os homens custam a entender, mas acreditem! Dá!

Não vou descrever toda a versão feminina do mesmo diálogo ali de cima porque não vai dar tempo, eu tenho que publicar esse texto a tempo! Embora haja estudos desmentindo a ideia de que a mulher fala mais do que o homem, minha experiência diz que nesse tipo de assunto as mulheres iriam render mais. Seria mais ou menos assim na versão resumida:

– Ai amiga, não aguento mais meu emprego!
– Por que, amiga?
– Todo dia de manhã eu entro na empresa, vou pegar um cafezinho e dou de cara com minha chefe. Lógico que ela já me olha com aquela cara de desprezo. Eu faço de tudo, mas ela não vai com minha cara.
– Nossa!
– Pois é, mas não é só comigo. A maioria das pessoas não falam bem dela. Aposto que ela vai acabar sendo mandada embora. Sabe como é essa coisa de clima organizacional, né?
– Sei bem sim. Nossa!
– Pois é… acredita que um dia…

Aí ela conta um caso de alguns bons minutos que não importa para a maioria dos homens, nem mesmo a princípio para o objetivo final da conversa, mas acredite, homens: o caso importa naquela situação!

– Ai amiga eu te entendo!
– Então, ela está me pedindo tanta coisa com um prazo tão apertado que não sei se vou dar conta!

Aqui ela começa a querer “chorar”. E amiga que é amiga… “chora” junto! Empatia sobra nas mulheres.

– Ô amiga… é muito duro isso!
– Pois é eu já tentei de tudo. Já tentei dialogar. Já comprei bombom. Já chamei pra almoçar!
– Nossa!

E depois de muito tempo, uma contando pra outra situações semelhantes que já passaram e como resolveram, eis que a dona do problema diz:

– Mas você quer saber? Já sei! Assim que ela me passar a próxima tarefa com hora marcada, vou enviar um e-mail pra ela listando todas as pendências com os prazos que ela pede, para ela perceber que é humanamente impossível entregar da maneira que ela quer, aproveito para perguntar quais são as prioridades de entrega que ela deseja! Afinal, ela sabe que sou uma excelente profissional e não enrolo!
– Isso! Você é ótima!

A diferença está na forma e é por isso que o caso contado dessa forma muitas vezes importa.

Empatia é o que ajuda de verdade

Diferente, né? Rs… Claro. Fisiologias diferentes, mas repito que nenhum desses dois diálogos são regras dos respectivos sexos, mas a historinha ilustra metaforicamente a diferença de como a amiga está lá com ela a apoiando em suas decisões enquanto o amigo não quer saber do sofrimento do parceiro, quer simplesmente ajuda-lo a sair da situação. Expressões diferentes para um mesmo ato de empatia.

Percebendo isso, talvez seja a hora de entender um pouco mais do sexo oposto. Talvez seja a hora de você mulher entender e praticar o exercício da percepção de que quando o homem te dá milhares de soluções, enquanto você deseja apenas chorar com alguém que te escute, ele não quer te magoar, ele quer te ajudar!

Talvez seja interessante a utilizar frases como “eu não quero que você me dê soluções, estou só precisando de falar. Você se importa de apenas me ouvir?”. Isso é o “abracadabra” que você talvez possa descobrir.

Por outro lado, talvez também seja o momento dos homens entenderem que muitas vezes elas não querem que vocês falem nada senão onomatopeias de empatia (Hmmm… Oh! Ai! Nossa!). As mulheres são fortes e apenas querem ser escutadas.

Mais uma vez eu repito para que entre por pressão: é interessante perceber que não existem regras em um relacionamento de sexos opostos. É um desafio diário essa equalização de compreensão e comunicação, que pode ficar muito suave se esse conhecimento for usado com sabedoria, afinal vira hábito. Assim como vira moleza correr 5 km para um casal que corre 10 km todo dia, a comunicação de um relacionamento é nada mais nada menos, que prática!

Então saiba: não existem casais perfeitos. Existem apenas pessoas que se dão bem por algum tempo, anos, ou por uma vida inteira.

O Final da História

E sabe o que aconteceu com o casal lá em cima? Pois é… não deu pra eles. Se desgastaram tanto e tanto que terminaram o relacionamento. Várias vezes para ser exato. Um dia, o orgulho dos dois falou mais alto e chegou aquele momento que não teve volta. O bom da história? É que os dois terão a chance de se reeducar e tentar de novo com outro alguém.

Pode ser você! Pode ter sido você.

Diz aí nos comentários: consegue imaginar como o relacionamento poderia se sair melhor? Já passou por algo assim?

Se você tem dificuldade para se relacionar e quer uma mãozinha, tente o Coaching Incansavelmente® e faça o seguinte…

Vem comigo que no caminho eu te explico!

-Rogério Braga